quinta-feira, 26 de junho de 2008

Atuação dos auditores mudou depois do caso Enron

A escândalo da Agrenco é emblemático por ser o primeiro depois do renascimento do mercado de capitais brasileiro. Acabou a festa, chegam as cobranças. E esse jogo de achar culpados os auditores conhecem bem.

A mãe de todos os escândalos contábeis, a Enron, não quebrou os bancos que operavam com a companhia americana de energia, que estava entre as cinco mais admiradas do país: quebrou a Arthur Andersen, a mais respeitada auditoria do mundo até então.

Como ressaltam em todos os seus pareceres, a responsabilidade do auditor é expressar opinião sobre as demonstrações financeiras. Leia-se: não somos polícia, não sabemos se estamos sendo enganados pelo controlador etc.

É fato que essa posição mudou, na prática, nos últimos anos e as normas de auditoria ditadas pelos próprios auditores, reunidos na Federação Internacional de Contadores (Ifac), podem ser divididas em antes e depois da Enron.

Antes, a regra dizia, grosso modo, que o auditor não tinha que descobrir fraudes, mas se desconfiasse de algo teria que investigar e avisar a administração. No pós-Enron, o auditor ainda não se transformou em polícia, mas tem que considerar que a fraude é possível, mesmo num ambiente aparentemente controlado, fazer testes e ir fundo nas investigações.

No Brasil, ainda estamos no pré-Enron no que diz respeito a normas de auditoria. No entanto, as quatro grandes firmas do setor - a KPMG, que assina os balanços da Agrenco, é uma delas - costumam adotar as normas internacionais. Procurada, a KPMG informou que espera dados oficiais para se manifestar. (Colaborou Silvia Fregoni).


Fonte: Valor Online, 25/06/2008 , por Nelson Niero, de São Paulo

CASO AGRENCO

Para saber mais sobre o caso Agrenco: Contabilidade Financeira

Nenhum comentário:

Disclosure


Os conteúdos deste blog são fornecidas como informação geral e não devem ser consideradas como serviços de consultoria para investimento.

Todo o conteúdo do Blog, incluindo a divulgação de qualquer produto, não deve ser interpretado como uma recomendação de comprar ou vender qualquer valor mobiliário ou instrumento financeiro, ou a participar em qualquer negociação particular ou de uma estratégia de investimento.

As idéias expressas neste Blog são exclusivamente as opiniões do autor (es) citado(s) e não representam, necessariamente, as nossas opiniões.

Qualquer ação que você tome como resultado de informações, análises ou anúncio neste blog é, em última instância, a sua responsabilidade. Consulte seu conselheiro em investimentos, antes de fazer qualquer decisões de investimento.


Este blog é constantemente atualizado. Volte sempre